Agência de Turismo e Operadora de Turismo - Blog Nattrip

Os Caminhos para Santiago de Compostela- Quais e quantos são

Os Caminhos para Santiago de Compostela são vários e quando se fala do ‘Caminho de Santiago’, na verdade devemos saber que eles existem por toda a hoje Europa continental. São as diversas rotas que começaram a ser percorridas recorrentemente desde o século IX por peregrinos cristãos que afluíam à localidade de Santiago de Compostela.

Os Caminhos para Santiago de Compostela e suas histórias

É importante ter em mente também que mesmo antes da descoberta do túmulo de Thiago Maior no ‘Campo de Estrelas’, várias dessas rotas já eram utilizadas. ‘Campus Stelae’ é em Latin, de onde deriva a atual palavra ‘Compostela’. Isto é a área geográfica que hoje corresponde aos territórios de Espanha e Portugal ou ‘Península Ibérica’

Na verdade, quando da conquista romana desse território, os dominadores romanos já se aproveitaram de caminhos e rotas desenvolvidos e utilizados ainda antes, pelos deslocamentos nômades do povo Celta. Devemos saber também que ao passarmos pelos atuais ‘Caminhos de Santiago de Compostela’, estaremos percorrendo trilhas e rotas que povos desde a pré-história também trilharam.

Os vários Caminhos

Os Caminhos para Santiago de Compostela tem algumas organizações especializadas no assunto. Eles elencaram 13 opções possíveis. Suas derivações e interligações, para se chegar a Santiago de Compostela são: Camino Francês,  Aragonês, Primitivo, Vasco, del Norte, Vía de la Plata, Camino Sanabrês, Camino Português, Camino Catalán, Camino Baztanés, Camino Inglês, Camino de San Salvador, e Fisterra e Muxía. No website da Gronze  são ilustradas as diversas rotas para Santiago por toda a Península Ibérica.

O Caminho Francês

Por conta de tentar conter riscos de ataques, os reinos católicos da Península, com a ajuda dos Cavaleiros Templários, estabeleceram uma rota segura, via Saint Jean Pied de Port, para os peregrinos católicos a Santiago de Compostela. Eles criaram ao longo de muitas décadas, a partir do início do século XII, uma infra-estrutura quase inacreditável para a época nesse trajeto, o famoso Caminho Francês, que ainda hoje é o mais popular.Os-caminhos-para-Santiago-de-Compostela

O Caminho do Norte

O caminho estabelecido bem mais ao norte foi denominado de caminho do norte (ou caminho inglês, apesar de este ser assim considerado oficialmente apenas a partir da região de A Coruña). Ali aportavam embarcações vindas das Ilhas Britânicas, na costa do mar cantábrico. Dali os peregrinos da cristandade seguiram a pé para Santiago de Compostela, cruzando por sobre a cordilheira cantábrica. O Caminho do Norte atravessa quatro comunidades autônomas espanholas: País Basco, Cantábria, Astúrias e Galícia.

O Caminho da Prata

O Caminho da Prata (ou Via da Prata) é um antigo caminho comercial que tem origem ao sul da Espanha e atravessa o oeste do país de Sul a Norte, partindo de Sevilla. A rota segue relativamente próximo à fronteira com Portugal até Astorga, para depois se unir ao Caminho Francês na Galícia.

Há uma variante que após a cidade de Zamora assume a direção Leste-Oeste, passando por cima de Portugal e cruzando a capital da Galícia. Esta variante também faz parte de uma rota que tem início em Madrid. A via era então denominada Via do Estanho, já que por ela circulava boa parte deste mineral na Península Ibérica. Durante a época da ocupação pelo Império Romano, a Via do Estanho manteve-se como eixo fundamental de comunicações tanto durante a conquista como na época imperial. Contudo, a Via da Prata nunca foi um caminho de comércio de prata. Esta denominação é uma conseqüência da evolução do nome e confusão fonética.

Da Via do Estanho à Via Alblata

Esta antiga Via do Estanho, no período da ocupação muçulmana, recebeu a denominação de Via Alblata, cuja origem era a expressão delapidata como se pronunciava em latim tardio. Delapidata quando pronunciado em idioma hispânico parece com “De la plata”. Conseqüentemente, começou a ser chamada de Via da Prata. Desta forma, à medida que a reconquista cristã avançava, a Via da Prata serviu também como caminho de peregrinação em direção a Santiago de Compostela, que se mantém até hoje. O Caminho Inglês que vinha da porção mais ao norte do território espanhol bem próximo ao litoral do Mar Cantábrico, e que se liga ao Caminho Francês em alguns pontos. A Via de la Plata tem seu traça do frequentemente se confundindo com calçadas romanas, sendo especialmente marcante este aspecto em Mérida. Aqui, ainda podem ser visitados aquedutos, anfiteatros, banhos públicos e templos do período da ocupação do Império Romano.

O Caminho Português

Os-Caminhos-para-Santiago-de-Compostela

Existem também várias vias do chamado “Caminho Português”. O Caminho Português para Santiago de Compostela, ou o principal deles, que é o Caminho Central Português é a rota mais utilizada entre Lisboa e a cidade de Santiago de Compostela. Historicamente, os Caminhos para Santiago de Compostela vindos de Portugal eram rotas, tanto no interior quanto no litoral de Portugal, para peregrinação e comércio.

O caminho Zanabrês

Os caminhos existentes pelo interior se interligavam aos caminhos espanhóis através do ‘Caminho de Santiago Zanabrês’ (que tem seu nome originado em função da localidade denominada Puebla de Zanabria, próxima a Bragança). O caminho Zanabrês é também chamado de Caminho Galego do Sul, ou Caminho Mozárabe. Esta última designação também é aplicada às rotas para Santiago de Compostela que percorrem o sul e o centro da Península Ibérica.

Caminho da Prata de Portugal

Algumas dessas rotas do interior de Portugal são também designadas ‘Caminho da Prata de Portugal’. Isso porque eles desembocavam no Caminho da Prata para Santiago de Compostela (ou Ruta Jacobea de la Vía de la Plata). Para muitos autores, o percurso do Caminho de Santiago entre Ourense e Santiago de Compostela faz também parte do Caminho Zanabrês. Assim, por estas rotas no interior de Portugal, os peregrinos adentravam na Galícia por Verín, situada a 15km ao norte da cidade portuguesa de Chaves, na fronteira de Portugal com a Espanha. Já os percursos das rotas costeiras do Caminho Português foram usadas pelos antigos peregrinos e, antes desses, por comerciantes provenientes do eixo Lisboa-Coimbra-Porto, que entravam na Galícia cruzando o rio Minho.

O Caminho Primitivo

É o tramo que se inicia em Oviedo, nas Astúrias, e se dirige a Santiago de Compostela percorrendo a região das Astúrias e depois a Galícia, ao cruzar por sobre a cordilheira cantábrica. É uma rota penosa e de elevado nível de dificuldade, tendo como contrapartida as indescritíveis paisagens e cenários observados pelos que a percorrem. Deve sua origem à peregrinação do rei Alfonso II, do reino das Astúrias, ainda no século IX, que é tida pelos historiadores como a primeira peregrinação que se tem notícia até o túmulo do apóstolo Thiago Maior de um soberano de um reino da Europa, e por isso a rota por ele percorrida levou o nome de ‘camino primitivo’.

Comentários no Facebook

Redator
Paulo Fernandez

Paulo Fernandez

Consultor Santiago de Compostela

Paulo Fernandez é consultor da Nattrip para a peregrinação à Santiago de Compostela, tendo concluído o Caminho Francês desde Saint-Jean-Pied-de-Port em 1999.

Mais Recentes
Facebook
Instagram

Veja também

Chapadas-do-brasil-cover

Chapadas do Brasil

O-que-fazer-em-Visconde-de-Maua
Ilha Grande Reserva cover
Trilhas de longo curso cover

Trilhas de longo curso

Documentários sobre a peregrinação para Santiago de Compostela

Novidades

Sochi cidade russa virou modelo para o turismo do país

E-Book Rio de Janeiro

Chapadas-do-brasil-cover

Chapadas do Brasil

Parceria Rio Eco Pets

Parceira Rio Eco Pets

Turismo Brasileiro Liberação dos Jogos

Apoiadores e Parceiros

Receba nossas novidades